impressões imprecisas
porque tudo é relativo
enquanto isso, no fotolog do impressões...
as semanas
e-mail
a vizinhança
nas telas
nas caixas
na cabeceira
aqui agora


Antonio Machado/Male. Lives in Brazil/RJ/Rio de Janeiro/Jardim Botânico, speaks Portuguese and English. Spends 80% of daytime online. Uses a Fast (128k-512k) connection.







Next

Random

List




sábado, maio 10, 2003

Casa nova

Tudo novo: agora o impressões tem seu próprio servidor e sistemas de comentários, usando a tecnologia Movable Type.

O novo endereço do Impressões Imprecisas é: http://impressoes.cliqueaqui.com.br.

Vai !


posted by Antonio Machado | 11:49:00 da manhã


domingo, março 16, 2003

Não em nosso nome

Não em nosso nome” é o slogan de um movimento antiguerra americano. Certamente não é nossa uma civilização que sorteia os contratos de reconstrução de um país antes de invadi-lo, subentendendo-se que quanto maior for a destruição mais lucrativos serão os contratos, como também não poderia ser nossa uma civilização que festeja o terrorismo suicida. Pode não ser nossa a velha civilização colonialista européia responsável por toda essa salada no Oriente Médio, e pode ser difícil aceitar que quem fala em nosso nome hoje é, quem diria, o Jacques Chirac; mas na medida em que são eles a alternativa à prepotência americana e a crianças mortas, essa é a nossa civilização do momento. Melhor os velhos patifes do que os novos cruzados.

No fim, a única civilização pela qual se deve torcer é essa multinacional e multirracial que enche as ruas em protestos contra a guerra, que não é nem pró-Saddam nem antiamericana — é pela razão, e contra as superbombas.


Quem escreveu isso foi o Luiz Fernando Veríssimo, nO Globo de hoje. Lucidez e razão (coisas que nem sempre caminham juntas). Alguém não assina embaixo?


posted by Antonio Machado | 8:14:00 da tarde


quarta-feira, março 12, 2003

Dando sinais de vida...

Quase escrevendo de novo. Quase foi hoje.
Mas não foi. Mas eu volto.
E vou atualizar os links da vizinhança. Prometo.

E este blog fez um ano no dia 6 de março.

E o Rio, hein?

E vocês viram? A Márcia Peltier chupou (no mau sentido) o Pedro Dória!

Tem cada coisa...


posted by Antonio Machado | 7:30:00 da tarde


sexta-feira, janeiro 31, 2003

Organizações Tabajara?

A razão porque eu insisto em publicitar o Dispositivo da Vida Eterna é porque ele realmente funciona!! Isto é a mais incrível medicina no mundo. Eu tenho de a publicitar apenas por ela própria! Não tenho escolha senão ser bravo e enfrentar o perigo e risada. Logo, por favor não me mailem insultos. Se você não merece a sua crença. Pelo menos eu mereço o seu respeito. Se você não estiver satisfeito com o produto, tem 90 dias para obter a devolução do dinheiro. Eu acredito que consigo ganhar mais dinheiro vendendo um relatório “Como fazer um milhão de dólares em um mês”. Porque deveria eu vender um dispositivo que é acreditado permitir a vida eterna? Isto é um negócio muito arriscado, e a maior parte das pessoas não acredita em mim. Existem boas razões porque eu estou a fazer isto tudo. PORQUE FUNCIONA!!! Não é isto fixe? Eu estou a vender a vida eterna a partir da Internet. Se a quiser, obtenha-a agora! Se não, também é fixe. Se pensa que eu sou doido, envie um email a rave@feist.com, ou Michael RAZOR@msn.com, ou Dorothy dorothy@jps.net. Eles são utilizadores dos meus dispositivos e dir-vos-ão a verdade!

Você pode garantir a vida eterna apregoada acima (os erros foram mantidos) usando toda santa noite os Anéis da Imortalidade para os dedos das mãos (um anel na mão direita, outro na esquerda) e os Anéis da Imortalidade para os dedos dos pés (10 anéis, um para cada dedo!!). Toda esta anelança tem o nome de Dispositivo da Vida Eterna. O inventor deste artefato é o sino-americano Alex Chiu, 32 anos, um inventor típico que mantém sempre as coisas viradas para a frente (sic) e honestas. Parece que é um lance de magnetismo, que os dedos das mãos e dos pés são os terminais positivo e negativo do corpo, que quando se usa os anéis os pólos magnéticos do corpo se opõem - e isso é bom (!?) - etc, etc. Tudo muito cósmico, mais para Tesla do que para Edson. Tem um monte de páginas explicando toda essa teoria lá no site do Chiu.

Para quem quiser virar imortal sem precisar se privar da luz do dia e ainda com direito a continuar vendo o próprio reflexo no espelho, o kit com um par de Braceletes para os Pés (não seriam Perneletes?) e um par de Anéis de Neodímio custa US135.00.

Mas não é só isso! Se você colocar um banner do Chiu na sua página e ele for clicado pelo menos quarenta vezes (o banner, não o Chiu), você ganha, inteiramente grátis, um kit com os Anéis da Imortalidade. É mole ou quer mais?

Quer mais? Então construa você mesmo o seu próprio Dispositivo da Vida Eterna. As instruções estão todas on line.

E viva para sempre!

(E, por favor, já que você vai ficar para sempre no mundo, tente não ser chato.)


posted by Antonio Machado | 4:00:00 da tarde


quinta-feira, janeiro 30, 2003

Sistema de Defesa Iraquiano

Na iminência de um ataque norte-americano, estrategistas iraquianos desenvolveram uma infalível tática de defesa que torna o Iraque imune a qualquer possibilidade de agressão.


posted by Antonio Machado | 8:44:00 da manhã

Sumiu

Alguém sabe o que aconteceu com o fotolog? Todas as fotos, de todos os usuários, sumiram do site. Enquanto isso, os e-mails com as estatísticas de acesso continuam chegando como se tudo estivesse normal e funcionando.


posted by Antonio Machado | 8:30:00 da manhã


segunda-feira, janeiro 27, 2003

E o pesadelo acabou

Não queiram ter problemas em computadores rodando Windows 2000. O que seria uma mera atualização no sistema aqui de casa acabou deixando o computador fora do ar durante quase duas semanas. A nova placa de captura de vídeo brigou com a nova placa de vídeo que não se entendeu com a nova placa mãe que não soube gerenciar o novo HD junto com o velho HD. Tudo isso no ambiente do Ruindows 2000, que ainda por cima insistia em instalar um drive de uma placa de som que não possuo e que entrava em conflito com a placa de som que possuo, congelando tudo em menos de trinta segundos após a iniciação do Ruindows. E nada dava jeito: nunca reformatei tantas vezes um mesmo HD em toda a minha vida. E olha que a minha política é a de formatar a máquina só quando é extremamente necessário. Só que esse extremamente necessário aconteceu umas dez vezes nesses ultimos treze dias. Pesadelo.

Finalmente consegui um misterioso service pack da Micro$oft, com cerca de 200Mb (um absurdo: isso não é um service pack, isso é praticamente outro sistema operacional!), que não é encontrado na página de upgrade da sinistra e já citada empresa - pelo menos eu nunca tinha visto aquilo por lá - e que, finalmente, resolveu o problema.

Por conta disso tudo, o blog ficou, novamente, entregue às moscas. Na verdade não foi só o blog que ficou às moscas: minha produtividade, os e-mails, trabalhos ainda não finalizados, tudo que dependia do micro ficou a ver navios. E na minha vida, há anos, praticamente tudo depende do micro. Aí vocês poderão fazer a pergunta, muitíssimo pertinente: "Então por que você não tem dois micros?". Eu tenho. Sabe o Murphy, aquele, daquela lei? Pois é. O segundo micro também resolveu pifar: a placa mãe dele morreu, Deus a tenha.

Deve ser o tal inferno astral. E como o meu aniversário é só no próximo dia nove, fico me perguntando o que mais pode acontecer até lá. De qualquer forma estou evitando passar embaixo de edifícios; vai que um piano de cauda ou um cofre desaba em cima de mim...

Conheço a história de um cara (deve ser lenda urbana) que andava tão sem sorte que os amigos recomendaram que ele fosse nos "barbadinhos" (nota sem pé de página: para quem não sabe, "barbadinhos" é o ótimo apelido que o povo deu aos padres da igreja de São Sebastião, aqui no Rio de Janeiro, que são Franciscanos - por isso barbudos - e que têm tradição de dar bençãos que trazem sorte, ou espantam o azar, sei lá). Voltando à história: o tal cara foi à igreja e, na hora da benção, o artefato de metal que os padres usam para aspergir a água benta nos fiéis escapou da mão de um deles e foi direto na testa do sujeito. Como diria a minha velha avó (e bota velha nisso, acabou de completar noventa e oito anos no último dia vinte um): "quando se está sem sorte o urubu de baixo faz cocô na cabeça do urubu que está em cima". Sábias palavras.


posted by Antonio Machado | 11:24:00 da manhã


terça-feira, janeiro 14, 2003

Pete Townshend e a Operation Ore

A Operation Ore é o braço inglês de uma operação liderada pelo FBI que rastreou mundo afora cerca de duzentas e cinqüenta mil pessoas suspeitas de pedofilia que utilizaram seus cartões de crédito para pagar por download de pornografia infantil. Por conta da Operation Ore, cerca de mil e trezentas pessoas foram presas recentemente na Inglaterra, entre médicos, advogados, juizes, policiais, todas de inabalada reputação, todas suspeitas de incentivar, divulgar ou promover pedofilia.

A imprensa inglesa já noticiava que um famoso rockstar estaria entre os detidos quando a Scotland Yard anunciou que Pete Townshend, 57 anos, guitarrista e líder da banda The Who - uma das grandes bandas do rock inglês, em atividade desde a década de 1960 e autor da ópera-rock Tommy, um marco na história do rock -, estava preso em uma delegacia no sudoeste de Londres. A polícia teria examinado computadores em sua casa em Richmond e encontrado material relacionado a pedofilia. Townshend declarou que não é pedófilo, mas que de fato acessou sites de pedofilia como parte de uma pesquisa para sua autobiografia onde abordaria o abuso sexual que ele próprio teria sofrido durante a infância.

Este assunto já estava presente na obra de Townshend desde da ópera-rock Tommy, lançada em 1969, onde em uma de suas canções a personagem título, um garoto cego, surdo e mudo, é molestado por seu tio Ernie, que na versão cinematográfica, dirigida em 1975 por Ken Russel, foi interpretado por Keith Moon, baterista do The Who, morto em 1978 por overdose. Tio Ernie também foi interpretado pelo ex-beatle e também baterista Ringo Starr, em uma luxuosa edição em vinil desta ópera, com participação da Orquestra Sinfônica de Londres, coral e artistas convidados, como Rod Stewart, Richie Havens, Merry Clayton, Steve Winwood, entre outros.

No momento em que escrevo esta nota, o site oficial de Pete Townshend encontra-se fora do ar.


posted by Antonio Machado | 1:13:00 da manhã


domingo, janeiro 12, 2003

"Só quero dar muita porrada em quem me jogou areia"

Era isso que o policial irado (não é gíria!) dizia ontem à tarde, brandindo seu cacetete, no posto 09, em Ipanema, durante a manifestação de truculência do efetivo da polícia militar que armou barraca (literalmente) naquele tradicional ponto da praia mais liberada do Brasil.

Policiais de bermuda, camiseta e cacetete (alguns até com revólver) importunaram os freqüentadores da praia, numa desnecessária e antipática manifestação de poder, que acabou jogando ainda mais areia (sem metáfora) na imagem já mais do que desgastada que a população tem dos supostos "amigos de fé, irmãos camaradas" (lembram dessa campanha? Pois é...). A idéia era reprimir os "maconheiros". Mas a presença intimidadora da polícia não intimidou ninguém e o tradicional cheirinho de mato queimado continuou pululando no ar - como de hábito - irritando os irritadiços meganhas que passaram a, ostensivamente, andar pela areia dando "duras" em quem estava quieto em seu canto e, obviamente, sem prender ninguém ou mesmo localizar a(s) fonte(s) dos adocicados odores.

Por volta das dezenove horas os policiais resolveram ir embora e começaram a desmontar a barraca. Nesse momento, o povo da praia, numa incompreendida manifestação de carinho, vaiou (com todo o respeito, é claro) os valorosos soldados que apenas cumpriam seu dever. Aí a coisa ficou feia. Os guardas voltaram com cara de que iam prender toda a cúpula do narcotráfico e resolveram peitar todo mundo que estava ali. Virou zona, armou-se o rebu: teve correria, apitaços, deixa-disso, chega-prá-lá, tira-a-mão-de-mim, rififi, sururu. E areia. A galera da praia começou a jogar areia, copinhos de plástico, côco usado, um monte de coisas, nos PMs. Entre nenhum morto e nenhum ferido, salvaram-se todos e a palavra que resume isso tudo é: ridículo.

Fica a pergunta: os mais de vinte (!!) PMs que estavam enchendo o saco de todo mundo em um pequeno pedaço de praia ontem não deveriam estar em outro lugar que realmente necessitasse de policiamento ostensivo?

Francamente, Dona Rosinha...

(veja as fotos no fotolog do impressões)


posted by Antonio Machado | 7:38:00 da manhã


sexta-feira, janeiro 10, 2003

Beatles and friend


posted by Antonio Machado | 12:26:00 da tarde